sexta-feira, 30 de maio de 2014

Adoro cartazes! Nos manifestos sempre levanto a cabeça. “Filma nós!” –pequenas cartolinas; “Legalize já!” – hidrocor, me lembra infância... Lembram gente jovem, cartazes. Cartazes são pueris! Sinto-me bem com essa contribuição de gramas num mundo tão grave. Meninas e meninos. Meninas primeiro! Lindas. Ostentam cartazes muito diferentes. Umas são vadias. Outras, muito decentes. Mas eu gosto mesmo de cartazes... lembram a "revolta da cantina" na escola de minha infância: “Bolinho estragado jamais será comprado!” – e... como a gente persiste com frases bobas na cabeça! É por isso que não sabe nada que importe, a gente. A menina linda, loira, os cabelos contra o vento, escrevendo em cartolinas sobre pedras portuguesas cartazes que vão mudar o mundo. Juntaram o dinheiro da merenda e compraram cartolinas. A menina de apenas 17 anos. Quanto? Quanto ela e seu cartaz não são melhores que eu no fim de um livro?

Nenhum comentário:

Postar um comentário