quinta-feira, 29 de maio de 2014

ah, basicamente eles viviam pra provocar sensações. vendiam a imagem mesmo! não... sem dó! sério! vendiam a imagem deles. real. porque um ator exigiria um personagem, mas eles não. eles não se escondiam atrás de nada! eles apareciam, faziam um papel. mas se passavam por eles mesmos. tudo que eles falavam era como fossem eles mesmos. então, dependendo de como ele atuava... por exemplo, hoje numa praia... se ele desse de gay, você diria: "está ali um gay, um cara libertário, um cara de tanguinha..." mas a mesma pessoa, visse ele num palanque - e eram sempre extremos que ele ocupava -, acharia que ele era hitler. era assim... era uma profissão estranha mesmo! era feita para especular vagas para personalidades de sucesso. que personalidade era mais popular? que personagem seria melhor para as celebridades? que causas defender? que ideia ter sobre isso ou aquilo? - eram suas questões! e o contrato rezava que eles não podiam falar que eram personagens, nem comunicar a sua profissão em público. mas eles eram tipos assim mesmo. hoje eles eram brancos, amanhã eles eram negros!

Nenhum comentário:

Postar um comentário