segunda-feira, 6 de abril de 2015

dane-se a revolução, vamos fazer beleza! porque eu sou um rebelde com uma flor atrás da orelha. mas é a flor que está em foco. tenho metralhadoras de nomes complicados. carregadas com lágrimas de mães alheias. mas o foco é na flor! a flor sim... é um rompante que no meu filme fica pra sempre em close e destoa os revolucionários.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

aquele senhor que havia na minha infância com um muro alto no chapisco. aquela nossa bola leve. dente de leite. e aquele erro do amigo na hora do chute. aquele senhor que a primeira vez avisava. na segunda soltava o cachorro. e na terceira, cachorro falhado, aparecia com a bola de refém, uma faca contra a pelota, e não demorava devolvia só um bucho murcho... sabe ele?, cabelo grisalho e um filho que punha de castigo... sabe? o tempo passou. eu troquei de lado, o chute que eu errava, agora cai no meu quintal, vem do meio da rua em que sou um senhorzinho. e eu devolvo a bola, duas, três, quatro mil vezes sem esboçar um martírio. porque eu tenho horror à ideia de olhar no espelho e entre eu e aquele senhor já não haver o muro.