quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

em louvor aos suicidas

a gente tem mania de pensar que quando a gente sofre há algo errado. a gente sempre pensa em culpados. em santos! em pessoas de mal! a gente tende a criar esses polos, porque a gente sofre. a gente nunca para pra pensar que sofrer pode ser uma lei da vida, pode ser fundamental, natural, acidental. a gente parece que quer sempre apontar uma arma pro dentista, pro vendedor, pro empresário, pro ateu, pro político, pro doutor, pro pobre, pro branco, pro policial, pro negro, pra mulher, pro gay, pro negro, pro pastor, pro negro, pro negro, pro negro. pro negro gay e pobre. mais um disparo na cabeça, pra confirmar que ele já não se mexe... a gente tá sempre pronto pra apertar um gatilho e disparar um cartucho repleto do mais explosivo: a vergonha de serem o que não somos.

3 comentários:

  1. Já disse John Lennon em uma música, baseada em uma propaganda de armas de fogo, que "a felicidade é uma arma quente".

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. O lampejo de felicidade entre a dor e o sofrimento.

      Excluir