sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

A DONA (desamparo)

a dona adquiriu roupas novas
justo quando o tesão
abandonou nosso lar...
...insosso lar, então!

ele mesmo - o tesão - não levou roupa nenhuma.
nu foi embora!
mudou-se de casa, de par...
e a paixão, esta pervertida!, 
esbaforida, foi logo atrás!
ih, esta sim!,
faz barulho demais!

algum tempo depois -
gastos de nós, desatamos -
ficamos ímpares dois.

algum tempo depois,
a alma evaporada e o corpo a procurar:
"jovem alegria, aonde foste?"

a alma olhou pra frente e pra trás. 
amor e tesão não via...
nem sinais!

da flor despetalada achou o espinho
sangrou no caminho da memória
onde a amizade jaz

algum tempo depois,
as pegadas que esquecidas só vão 
também desbotam do chão
já não pisam mais 
o que era "o" 
caído em "um" levanta-se e 
"outro" se faz.


POESIA INTERLOCUTORA:

OCASO

ai!
mas tenho medo do tempo
sobre teus dias
pesando-os fatais

pesando-os
lembrete tenaz do

e s q u e c i m e n t o

ai!
e acompanhando teus sóis
tenho medo de esvair-me noite

acaso
o caso
ocasione

ai!
tenho medo do tempo sob teus pés
pegadas só vão

temo
uma noite que não sei

acaso
o caso
ocasione

e de repente
sen ti:

ai!
temo tudo

Nenhum comentário:

Postar um comentário